Juína: Homens que sequestraram e mataram família são condenados a mais de...

Juína: Homens que sequestraram e mataram família são condenados a mais de 140 anos

0

Os acusados de sequestrar e matar, a pauladas, Luzinete Sacchi Barbosa, 50 anos, a filha Gláucia Sacchi Barbosa, 18 anos, que também foi estuprada, e o filho Matheus Sacchi Barbosa, 14 anos, foram condenados a mais de 140 anos de prisão.

A sentença foi proferida pelo juiz diretor do foro da Comarca de Juína, Vagner Dupim Dias. Ele condenou os três homens pelos crimes de extorsão mediante sequestro, extorsão mediante sequestro com resultado de morte e estupro.

Jânio de Souza Meireles foi condenado em 146 anos, 6 meses e 14 dias; Carmo Júlio de Souza, pegou a pena de 140 anos, 5 meses e 18 dias e José Carlos Luz Lopes, 146 anos, 8 meses e 24 dias.

Os condenados sequestraram e mataram mãe e filhos no dia 23 de dezembro de 2015, em uma propriedade rural. Os bandidos tinham conhecimento que o irmão de Luzinete havia vendido uma fazenda em Juara, e exigiam dinheiro para libertação da família. Como não conseguiram decidiram matar os três.

O crime só foi descoberto porque o pai dos meninos mortos conseguiu imobilizar Jânio em sua residência e acionou a polícia. Depois em diligências, conseguiram localizar os corpos.

As prisões

Jânio foi preso no dia do crime, o pai dos meninos mortos reagiu e conseguiu imobilizá-lo ainda em sua residência e acionou a Polícia Militar.

Carmo Júlio de Souza foi preso no dia 31 de dezembro, em uma barreira da Polícia Militar, entre o município de Juína e Cotriguaçu e Zé Carlos preso em 23 de janeiro deste ano em Araputanga.

Os três bandidos são moradores do município de Cotriguaçu. José Carlos tem passagens por tentativa de homicídio. Ele é tio do Carmo Júlio de Souza e principal mentor do crime.

O promotor de justiça Danilo Preti Vieira, parabenizou o Poder Judiciário pela condenação dos três criminosos que cometeram o crime hediondo, e a Polícia Civil pelas diligencias necessárias para prender os criminosos.

“ A sociedade que tanto cobra o Ministério Publico, o poder judiciário e as polícias a cerca da solução e justiça do julgamento desses crimes que causa tanta perplexidade em razão da crueldade que foram praticadas, o Ministério Público vem perante a imprensa prestar contas. O poder judiciário cumpriu com seu papel devido e condenou em penas altas os acusados merecedores de uma reprimenda dessa natureza” – pontuou.

Juína News

Compartilhar