Início Agronegócio Sinop: Com parcerias, reeducandos começam produção de hortaliças em penitenciária

Sinop: Com parcerias, reeducandos começam produção de hortaliças em penitenciária

0
Compartilhar

A união de esforços entre Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos, Prefeitura de Sinop e Conselho da Comunidade do município resultou em um projeto voltado à capacitação, reinserção e produção de alimentos que está empregando reeducandos no cultivo de hortaliças. O Projeto Semear, que começou na Penitenciária Dr. Osvaldo Florentino Ferreira também garantirá além da oportunidade de trabalho, com remição na pena dos reeducandos, uma economia na alimentação, uma vez que parte da produção será absorvida na unidade prisional

O projeto contará com mão de obra de 15 reeducandos para produção em uma área de 4,5 mil metros quadrados, ao lado da penitenciária. Dez presos já começaram o trabalho e antes passaram por uma qualificação no cultivo de hortaliças com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. Agora, eles já estão cuidando do plantio das hortaliças como alface e almeirão e também pepino. Ederson tem 25 anos, dos quais sete foram vividos dentro da penitenciária. Ele encara a primeira oportunidade de trabalho extramuro como uma chance para voltar melhor à sociedade e ter uma vida mais digna. “Trabalhar é uma chance de contribuir com algo bom e que traz proveito a outras pessoas”.

O secretário de Justiça e Direitos Humanos, Airton Siqueira Junior, destacou a união de esforços e disse que a iniciativa da Prefeitura em implantar o projeto irá refletir, diretamente, na segurança pública do município. “Ficar na ociosidade permite com que o reeducando fique pensando coisas pouco saudáveis. Essa iniciativa em Sinop se soma a dezenas de outros projetos que estão em andamento nas unidades prisionais do estado e contribuem para dar uma nova chance a centenas de reeducandos que voltarão à sociedade. E para evitar um ciclo vicioso a melhor oportunidade é a educação e o trabalho”,

A prefeita Rosana Martinelli disse que o projeto, que tem cuja parte técnica é mantida pela secretária de Desenvolvimento Econômico do município, integra as parcerias público-privada para gerar amplos benefícios. “Vários parceiros estão abraçando, todos com o intuito de fazer, sempre, o melhor. É um projeto de inclusão social dos reeducandos, uma parceria muito interessante que não vai parar somente por aqui”, frisou a prefeita, destacando outras iniciativas já desenvolvidas com reeducandos como o emprego na Secretaria de Obras e Serviços Urbanos para limpeza e manutenção das vias públicas urbanas.

Pelo projeto Semear, a equipe de reeducandos receberá um salário mínimo, sendo que uma parte ficará com cada um, outra com a família e também para a poupança. O trabalho dá a chance, conforme a legislação penal, de remição de um dia na pena a cada três dias trabalhados.

A área agricultável é de 4,5 mil metros quadrados e, segundo o secretário de Agricultura de Estado de Agricultura Familiar, Suelme Evangelista Fernandes, simboliza um grande ganho, pois a política do Governo do Estado é de que, pelo menos, 20% do consumo alimentar dos órgãos que dependem da economia do Estado sejam absorvidos da agricultura familiar.

Participaram do lançamento do projeto o secretário adjunto de Administração Penitenciária, Emanoel Flores, deputado federal Nilson leitão, vereadores de Sinop, servidores da penitenciária e da prefeitura.

Projeto Semear

O projeto foi desenvolvido com a parceria de vários órgãos públicos e a iniciativa privada. A assistência técnica é da Prefeitura de Sinop e o financiamento é da iniciativa privada. Parte da produção será absorvida pela indústria de conservas e parte pela empresa responsável pela alimentação dos reeducandos do presídio Ferrugem, o que simbolizará uma economia de, pelo menos, R$ 60 mil para os cofres públicos.

Presidente do Conselho da Comunidade, o juiz da Vara de Execuções Penais, João Guerra, salientou o projeto como uma chance de auxiliar reeducandos a não voltar mais para uma unidade prisional, além da oportunidade de ocupá-los durante o período de cumprimento da pena em atividades produtivas.

O diretor administrativo do Conselho, José Magalhães, explica que outro projeto está em estudo para implantação de um tanque de peixes. Outra iniciativa será a fabricação de fraldas para a Secretaria Municipal de Saúde, que fará cessão da máquina.

MTnoticias com assessoria

As opiniões postadas nos comentários não representam a opinião do site. Comentários ofensivos poderão ser excluídos ou moderados.

Deixe um Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here