Trump diz que renunciará a seu salário como presidente

Trump diz que renunciará a seu salário como presidente

1

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou neste domingo que renunciará ao salário de US$ 400 mil anuais do cargo e só aceitará 1 dólar, valor mínimo determinado por lei. Trump anunciou sua decisão em entrevista ao programa 60 Minutes, do canal de televisão CBS, sua primeira aparição na televisão após ganhar as eleições no dia 8. “Acho que por lei tenho que aceitar 1 dólar, portanto aceitarei 1 dólar por ano. Mas o certo é que não sei sequer qual é o salário. Você sabe qual é?”, perguntou Trump durante a entrevista à jornalista Lesley Stahl, que informou o valor de US$ 400 mil.

“Não vou aceitar esse salário, não o receberei”, afirmou Trump, que investiu boa parte de sua fortuna em programas de televisão, hotéis, cassinos e negócios imobiliários. O presidente eleito também disse que tornará pública sua declaração de impostos “no tempo apropriado” e defendeu sua decisão de não divulgá-la durante a campanha eleitoral, como é costume nos EUA há décadas por parte de todos os candidatos à Presidência.

No mesmo programa, Trump afirmou que pretende já no início de seu governo deportar entre 2 e 3 milhões de imigrantes ilegais – durante a campanha, ele chegou a falar em 11 milhões de deportações. Ele também tratou do muro que prometeu erguer na fronteira com o México, dizendo que parte dele não seria propriamente de alvenaria, mas sim cercas, como já há na fronteira entre os dois países.

“O que nós vamos fazer é descobrir quais imigrantes são criminosos e têm antecedentes criminais, membros de gangues, traficantes, que são muitas dessas pessoas, provavelmente 2 milhões de pessoas, ou até mesmo 3 milhões, e tirá-los do nosso país ou prendê-los. Nós vamos tirá-los do nosso país, eles estão aqui ilegalmente”, afirmou o republicano.

Na entrevista, Trump falou também sobre a Corte Suprema, composta atualmente de oito juízes após a morte em fevereiro do conservador Antonin Scalia, a quem o milionário prometeu substituir por um magistrado favorável aos valores da direita cristã. No entanto, hoje Trump disse que se sente “bem” a respeito da decisão do alto tribunal de legalizar o casamento entre as pessoas do mesmo sexo, embora tenha considerado que o direito das mulheres a pôr fim a sua gravidez deve ser competência dos estados e não do governo federal, como é atualmente.

Além disso, Trump exigiu o fim dos atos violentos contra os hispânicos, afro-americanos e membros da comunidade de lésbicas, gays, transexuais e bissexuais (LGBT), três grupos que denunciaram um aumento de ataques desde a vitória eleitoral do empresário. Do mesmo modo, Trump, que tomará posse no dia 20 de janeiro, pediu a quem se manifestou nas ruas contra sua eleição que “não tenha medo”.

(Com agência EFE)/Veja/foto/Carlo Allegri/Reuters

Compartilhar

1 COMENTÁRIO

Deixe um Comentário